Soldagem: melhorias no processo

29 mar
2021

Soldagem: melhorias no processo

29 mar
2021

A alta competitividade nos setores metalúrgico e mecânico faz com que o gerenciamento dos custos dos processos tenha uma importância fundamental para as empresas. Nesse contexto, destacam-se os diversos métodos de soldagem, frequentemente usados em grande escala. Eles têm grande participação na composição das despesas de fabricação e devem ser objeto da máxima atenção pelos gestores.

Uma estratégia inteligente para a administração de custos é apostar em equipamentos de primeira qualidade, com os quais é possível alcançar níveis de eficiência muito mais competitivos. E para adquirir tais equipamentos nada melhor do que contar com a expertise de quem é líder no setor e tem experiência de mais de 125 anos no mercado de soldagem.

Falamos da Lincoln Electric, parceira da Corsul e referência em qualidade e tecnologia avançada nas mais diversas aplicações de soldagem. Fundada em 1895, a Lincoln foi responsável pela introdução da primeira máquina de solda portátil mono-operadora de tensão variável do mundo. Ao longo dos seus 125 anos de história, a empresa continuou com esse espírito inovador e hoje está presente em mais de 150 países ao redor do mundo. No Brasil há mais de 30 anos, é hoje líder no setor, oferendo soluções para atender às mais diversas aplicações de soldagem, de eletrodos revestidos a arames MIG/MAG.

No post de hoje, abordamos algumas dessas principais aplicações e mostramos como os equipamentos da Lincoln Electric podem fazer a diferença e melhorar os processos de soldagem, reduzindo custos e promovendo eficiência. Vem com a gente!

Eletrodo Revestido

O processo de eletrodo revestido é considerado um dos mais importantes processos de soldagem manual, devido à sua versatilidade de aplicações, à sua flexibilidade e ao baixo custo inicial. Basicamente, esse tipo de soldagem envolve uma fonte de corrente constante, eletrodo revestido, porta eletrodo, garra negativa, cabos de solda, peça a ser trabalhada e, claro, equipamentos de proteção individual (EPIs).

De um modo geral, o processo é utilizado para soldar chapas de 3 mm a 40 mm. Os tipos de equipamentos utilizados variam desde aqueles destinados aos pequenos trabalhos caseiros até os aptos para a utilização industrial e na construção de complexas estruturas metálicas. As principais funções do revestimento são: proteger o metal de solda do ar atmosférico, principalmente do hidrogênio e oxigênio, isolar a alma de aço do eletrodo, estabilizar e direcionar adequadamente o arco elétrico e adicionar elementos de liga ao metal de solda – como, por exemplo, cromo, níquel, molibdênio e vanádio.

Podemos elencar como sendo as principais vantagens do eletrodo revestido o seu baixo investimento inicial, a flexibilidade envolvida, a variedade de materiais que podem ser trabalhos, a soldagem em todas as posições e a portabilidade.

As possíveis dores relacionadas ao processo são:

– Dificuldade na abertura de Arco;

– Extinção do arco;

– Excesso de respingo;

– Desvio do arco elétrico;

– Falta de fusão.

Vejamos cada uma em mais detalhe.

Extinção do arco

Ocorre devido à má queima do revestimento. Normalmente, eletrodos com excentricidade ou com quantidade de revestimento inadequado podem não ter a quantidade suficiente de revestimento e, assim, não garantem a proteção necessária do arco, elétrico fazendo com que ele se extingue. Para evitar esse tipo de problema, a escolha de eletrodos revestidos de alta qualidade, como os da Lincoln Electric, é essencial.

Excesso de respingo

No processo de eletrodo revestido, o excesso de respingo muitas vezes está relacionado a corrente de soldagem inadequada. Aqui vale lembrar que há vários tipos de eletrodo revestido destinados para cada aplicação.

Devido à sua composição química, alguns tipos de eletrodos revestidos irão ter uma quantidade maior de respingo do que outros. Porém, devido aos avanços da tecnologia, hoje é possível controlar a quantidade de respingo pelo próprio equipamento. Por exemplo, com o Ajuste do Arc Force da Lincoln Electric, a “força” do arco pode ser ajustada através de um simples botão. Se a sua aplicação pede um arco suave com menos respingo, o operador pode ajustar o Arc Force para o mínimo; mas, se sua aplicação requer um arco mais agressivo, com mais penetração, basta ajustar o Arc Force para o máximo.

Dificuldade na abertura de arco

A dificuldade de abertura de arco pode estar relacionada principalmente a dois fatores: ponta de ignição do eletrodo com defeito ou baixa tecnologia do equipamento.

A ponta de ignição faz o contato do eletrodo com o metal de base, podendo, por vezes, conter um composto químico para facilitar a abertura do arco elétrico. Caso o eletrodo não tenha uma fabricação com esses requisitos, isso pode afetar essa abertura de arco.

Em relação à baixa tecnologia do equipamento, é importante frisar que, hoje, os equipamentos de soldagem da Lincoln Electric contam com o Hot Start, um recurso facilita a abertura do Arco Elétrico. Devido a um aumento temporário do corrente de saída durante o início da soldagem, é possível iniciar a ignição do arco de forma mais rápida e precisa, evitando que o eletrodo “grude” na peça no início da soldagem.

MIG MAG

“MIG” significa “gás inerte de metal”, sendo o processo por vezes também chamado de “GMAW” (“Gas Metal Arc Welding”). Trata-se de uma forma versátil, simples e rápida de soldagem, que pode ser realizada facilmente por novos soldadores e aplicada a muitos tipos de metal em diferentes espessuras. Nesse processo, o metal de adição é alimentado por uma tocha, enquanto o gás é expelido ao redor para protegê-lo dos elementos externos.

O metal de adição consiste em um arame consumível, alimentado por um carretel que atua também como eletrodo. Quando o arco é criado da ponta do fio ao metal base, o fio derrete, transformando-se, assim, em metal de adição e criando a solda. O fio é alimentado continuamente pela tocha. Isso permite que o soldador parametrize a velocidade preferida. Executada corretamente, a soldagem MIG produz uma solda suave, firme e visualmente atraente.

Arame tubular

Esse tipo de soldagem é semelhante ao anterior e ao que apresentamos na sequência – arco submerso. O arame tubular consiste em utilizar arames ocos com fluxos em pó em seus interiores, contendo diversos ingredientes, tais como minerais, ferros-liga, desoxidantes e materiais que forneçam escória ou gases de proteção.

Este processo proporciona alta qualidade do material depositado e excelente aparência da solda, mas também produz uma cobertura com escória que deve ser removida. Além disso, os arames com proteção gasosa podem ser afetados por brisas e ventos.

Arco submerso

Neste processo, o calor produzido por um arco elétrico é usado para fundir os metais. Uma característica distinta do arco submerso é que o metal de adição e o metal de base ficam submersos por um fluxo de mineral granulado. O fluxo é responsável por suprimir faíscas e respingos, diminuir a velocidade de resfriamento, fornecer proteção contra o ar atmosférico e gerar a escória, podendo ainda adicionar elementos de liga no metal de solda.

Os itens necessários são: uma fonte de energia, arame de adição, um alimentador do arame e o fluxo que será utilizado. Sempre realizado de forma automática, trata-se de um processo simples, com altíssima taxa de reposição. Por outro lado, por depender da distribuição do fluxo, só se considera o seu uso em soldagens planas e horizontais.

 

TIG

Com esse tipo de soldagem, o eletrodo não é consumível, sendo feito de tungstênio. Trata-se de um dos poucos tipos de soldagem que pode ser feita sem metal de adição, apenas usando dois metais que são soldados juntos. O operador pode usar um metal de adição, se desejar, mas para isso precisará alimentá-lo manualmente.

Além disso, um cilindro de gás é necessário com a soldagem TIG, de modo a fornecer o fluxo constante de gás para a proteção da solda. O resultado é uma solda precisa, visualmente atraente e que não requer limpeza, pois não há respingos.

Seja qual for o método de soldagem que a sua empresa usa, a Corsul, em parceria com a Lincoln Electric, oferece uma ampla gama de itens para ajudar você a encontrar a solução mais rentável e eficiente. Para orçamentos e mais informações, entre em contato conosco agora mesmo clicando aqui.

Há 28 anos no mercado, a Corsul é referência no fornecimento de equipamentos de segurança, buscando o que há de mais moderno e inovador para seus clientes.

Até o próximo post!

Corsul – O que fazemos envolve você

Você está sendo redirecionado para o novo site do grupo Corsul!

Dalberti, uma empresa do grupo Corsul

Corsul - o que fazemos envolve você
Dalberti, uma empresa do grupo Corsul

Deixe seu e-mail e receba novidades e lançamentos do mercado

Deixe seu e-mail e receba novidades
e lançamentos do mercado

Enviaremos um e-mail para você, confirmando o seu cadastro.

Corsul - o que fazemos envolve você